Relacionamentos
Inseminação Artificial – Eu Quero Ser Mãe

Inseminação Artificial – Eu Quero Ser Mãe

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 0 Flares ×

Em tempos modernos onde a mulher busca cada vez mais espaço no mercado de trabalho e sucesso profissional, a decisão de ter um filho fica em segundo plano. Acontece que nem sempre a decisão vem acompanhada do êxito da conquista, pois percebem que o tempo neste caso é um ponto negativo. Porém o desejo de ser mãe ultrapassa todas as barreiras e algumas optam por métodos como a inseminação artificial para realizarem seus sonhos. Neste ponto, se informar é preciso e nós vamos te ajudar.

Como Faço Para Engravidar

A primeira providência a ser tomada a partir da decisão de ter um filho é procurar seu médico ginecologista. Ele vai recomendar o uso de uma vitamina, “Ácido Fólico” que deve ser consumida até três meses antes de engravidar. Esta vitamina é muito importante pois previne a má formação do feto.

A segunda providência é descobrir quando está ovulando, a famosa tabelinha. Anote a data do primeiro dia da sua menstruação e conte nove dias para frente. O Seu período fértil é do 10º até o 19º dia.

como-faco-para-engravidar

Conhecendo os seus dias férteis, intime seu parceiro e prepare-se para o dia D. O ideal é que comece a ter relações três dias antes da data da ovulação e pode seguir até três dias depois, pois os espermatozoides sobrevivem no corpo por alguns dias. Importante lembrar que, durante este período, o homem não pode estar em “jejum”. Se ele não ejacular pelo menos uma vez antes do período fértil, é possível que haja um acúmulo de espermatozoides mortos no sêmen.

Fique deitada por 15 minutos depois da relação sexual. Uma pesquisa em uma clínica de fertilização percebeu que as mulheres que ficavam deitadas por 15 minutos após o procedimento, tinham 50% mais chances de engravidar que as que ficavam de pé. Isto porque deitada você pode ajudar que os espermatozoides alcancem o óvulo. Alguns médicos ainda recomendam que fique com as pernas para cima. Não custa tentar!

Lembrete: Se você tem até 35 anos, pode ficar até um ano tentando engravidar espontaneamente. Dos 35 aos 40, após seis meses de tentativa sem êxito, procurem o seu médico e para as maiores de 40, o ideal é que já seja assistida desde o início.

Fertilidade Feminina

Como falamos acima, após um tempo tentando engravidar sem êxito é necessário procurar um médico para melhor diagnosticar se existe algum problema. Mas vamos listar abaixo, algumas questões que podem prejudicar a fertilidade feminina.

Idade

A partir dos 35 anos existe a diminuição da reserva de óvulos da mulher, o que infelizmente piora após os 40 anos. Estudos indicam que até 64% das mulheres entre 40 e 44 anos sofrem com a infertilidade. Aos 20 anos essa taxa é de apenas 6%. Não só a quantidade, mas a qualidade ovular também cai propiciando erros na divisão celular. O resultado são embriões com alterações genéticas e na maioria dos casos, o aborto.

Peso

A obesidade causa a infertilidade devido o aumento da produção de estrogênio pelo ovário e pelo tecido adiposo. A mulher que apresenta este problema não menstrua (amenorreia) ou o faz com irregularidade. Pode apresentar também alteração da receptividade endometrial e aumento das chances de abortos.

fertilidade feminina

Por outro lado a “magreza excessiva” também prejudica a fertilidade feminina, pois a falta de peso interfere na produção de hormônios diminuindo a produção de estrogênio no organismo, atrapalhando o ciclo menstrual. Consequentemente tem a ovulação e a fecundação prejudicadas.

Para evitar ambos os problemas, o ideal é manter o IMC (índice de massa corpórea) entre 20 e 25 kg/m2, que é considerado normal. Acima de 30kg/m2 é considerado obesa e abaixo e 17kg/m2 é considerado magreza excessiva. Para mais detalhes procure seu médico!

Genética

A alteração genética cromossômica (cariótipo) pode causar aborto de repetição (três seguidos), o que é considerado fator de infertilidade.

Doenças ginecológicas

A síndrome dos ovários micropolicísticos, a endometriose e os miomas uterinos são doenças ginecológicas muito comuns que prejudicam a fertilidade feminina.

O hipotireoidismo (quantidade de hormônios produzidos pela tireoide abaixo do normal), quando não controlado, também pode diminuir a fertilidade ao interferir no chamado eixo hormonal hipófise-ovariana.

Doenças sexualmente transmissíveis

Entre outros problemas, as doenças sexualmente transmissíveis podem afetar negativamente a fertilidade da mulher, pois interferem no sistema  imunológico e inflamatório, prejudicando o funcionamento dos órgãos pélvicos, levando à diminuição da fertilidade.

Outros fatores como o estresse, o cigarro e pasmem, o excesso de exercícios físicos também prejudicam a fertilidade, não só feminina, mas também a masculina.

Quanto ao estresse nem temos do que falar, pois é sabido que prejudica a vida e saúde como um todo. Já o cigarro, vale ressaltar que este interfere diretamente na fertilidade diminuindo a fecundidade e aumentando o tempo para a concepção (demora para engravidar). Provoca também danos no sistema reprodutivo da mulher.

Os especialistas acrescentam que “os componentes tóxicos presentes no cigarro podem provocar falência ovariana precoce, antecipando a menopausa em um a quatro anos; menor número de folículos ovarianos; dificuldade no transporte do embrião das tubas até a cavidade uterina, pois afeta a mobilidade ciliar destas, o que pode levar a um maior número de gestações ectópicas tubárias; alterações cromossômicas e do DNA, interferindo na gametogênese; e, finalmente, maior número de perdas gestacionais.” Ufa!

A mulher que faz exercício físico em excesso ou “malhação pesada” pode ter sua ovulação seriamente afetada. “Uma carga normal de exercícios não afeta a fertilidade dos casais. Já para os que se excedem, a endorfina liberada nesses casos inibe a hipófise, que controla as glândulas de secreção endócrina do organismo, comprometendo a ovulação e a espermatogênese”, explica Joji Ueno, especialista em Reprodução Humana e Diretor do Grupo Gera Medicina Reprodutiva.

Tratamentos Para Engravidar

Os casais que chegaram até aqui é porque de alguma forma ainda não conseguiram engravidar naturalmente e que devido a problemas pré-existentes foram orientados por seus médicos a iniciar outra etapa que são os tratamentos para engravidar.

tratamento para engravidar

Vamos listar aqui alguns destes para melhor entendimento.

Relação Sexual Programada

Na relação sexual assistida ou Coito Programado como é chamado em algumas clínicas, é realizada somente a indução da ovulação com acompanhamento ultrassonográfico. Neste período é recomendado que o casal aumente a frequência de suas relações sexuais. Durante o tratamento, os especialistas acompanham o ciclo menstrual da mulher, monitoram a ovulação através de ultrassonografias e aplicam dosagens e hormônios no sangue e na urina. Em alguns casos, estimulam os ovários com medicamentos com o objetivo de aumentar a precisão do dia fértil.

Inseminação Artificial

É indicada para casais com leves alterações nos espermatozoides (como gametas lentos ou com dificuldades de movimentação) e para casos de alteração no útero, como uma endometriose leve, ou mesmo quando não há uma razão aparente para a infertilidade.

A inseminação artificial também pode ser feita com espermatozoides doados.

Segundo os especialistas, é um procedimento relativamente simples que consiste em concentrar e introduzir os espermatozoides capacitados diretamente no interior do útero. Esta técnica também pode ser usada quando o muco cervical apresenta problemas. A taxa de sucesso da inseminação artificial depende muito das causas de infertilidade diagnosticadas. É preciso que pelo menos uma das trompas esteja desobstruída e que haja um número mínimo de espermatozoides para que a técnica funcione. Ambas as questões são verificadas antes pelos especialistas através de exames.

Fertilização In Vitro

A fertilização in vitro, que ficou conhecida como bebê de proveta nada mais é que a união do espermatozoide com o óvulo, só que em laboratório. Após a formação do embrião este é transferido para o útero.

Como acontece?

A paciente recebe medicações que vão estimular o crescimento dos folículos ovarianos. Os ovários são avaliados periodicamente até os folículos apresentarem tamanho adequado para agendar o dia da fertilização. Ao final da indução da ovulação é administrada uma medicação que vai terminar de amadurecer os óvulos e aproximadamente 35hs após este procedimento é agendada a aspiração dos óvulos (punção folicular).

fertilização in vitro

Segundo informações do Projeto Beta, clínica de São Paulo especializada em tratamentos para a infertilidade, “a punção folicular é realizada sob sedação (anestesia). O médico utiliza o ultrassom com uma agulha e aspira os folículos ovarianos via transvaginal. Os óvulos são encontrados dentro do líquido aspirado. No mesmo dia, o homem colhe o sêmen através da masturbação. Após algumas horas o casal é liberado. No laboratório, os óvulos são colocados em um recipiente com os espermatozoides (FIV clássica). Após dois ou três dias, em alguns casos até cinco dias, a paciente retorna para transferência embrionária.

A transferência não requer anestesia. Os embriões são colocados dentro do útero com um cateter especial com ou sem auxílio de uma ultrassonografia pélvica via supra-púbica. Após 12 a 14 dias, já se pode saber o resultado através do teste de gravidez (beta-hCG). A taxa de gravidez por tentativa depende da idade da mulher e do diagnóstico do casal.”

Quanto custa

É difícil saber exatamente o preço de uma inseminação artificial, pois depende de vários fatores que vão desde o local onde os procedimentos serão realizados, até os médicos que a acompanharão, incluindo medicações extras.

Porém, conversamos com algumas mulheres que realizaram o procedimento recentemente (até um ano) e nos informaram que a média de preços para a fertilização in vitro, por exemplo, gira em torno de R$ 10 mil a R$ 15 mil, podendo chegar até R$20 mil reais.

No caso da inseminação artificial os valores giram em de R$5000,00. Mas se a necessidade é para o coito programado, os preços ficam em aproximadamente R$1000,00.

A boa notícia é que existem algumas associações espalhadas pelo Brasil que fazem a intermediação entre paciente e clínica e algumas ainda oferecem descontos ou planos diferenciados.

O Projeto Beta, por exemplo, com unidades na capital, grande São Paulo e também no interior, possui todos os tratamentos e após a realização dos exames cobra o valor de acordo com a renda familiar. Dentre os documentos, são solicitados comprovantes de renda para avaliação. Um mesmo tratamento de fertilização in vitro que para uma família ficou em R$8000,00 para outra saiu por aproximadamente R$4000,00. Um alento.

O Instituto Ideia Fértil, localizado no campus da Faculdade de Medicina do ABC, em Santo André, é uma entidade sem fins lucrativos e segundo informações em seu site, “oferecem os tratamentos com o melhor custo do país”. Um casal informou que pagou o valor aproximado de R$6000,00 entre tratamento e medicação para fertilização in vitro a pouco mais de um ano.

O ProBem é um programa de acesso que oferece descontos em diversos tratamentos. Mas é necessário acessar o site ou a página do facebook para acompanhar as datas de inscrição.

O Instituto Sapientiae também uma instituição voltada para casais de baixa renda. Neste o tratamento é gratuito, inclusive os medicamentos. Para informações, também é necessário acompanhar a abertura do período de inscrições pelo site.

E aí, gostou? Espero tê-la ajudado. Compartilhe nossos artigos e ajude mais pessoas :)

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 0 Flares ×

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Facebook

Seja Uma Mulher De Sucesso

Produtos para bebês e crianças 70% mais barato?

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 0 Flares ×